Marca pessoal, é importante ter uma?

Marca pessoal, é importante ter uma?

personal branding

Esse é um problema que se aplica não apenas a empreendedoras criativas que não querem necessariamente ser o centro das atenções em relação à sua marca – mas também a organizações maiores que não são necessariamente lideradas por uma empresa, uma personalidade única.

As maiores questões sempre são “Quando é apropriado ter uma “marca pessoal”?” ou “Como devo fundir essa “personalidade” em uma marca que não é necessariamente uma “marca pessoal”?

Acredito que é sempre apropriado ter uma marca pessoal. Primeiro, vamos definir o que significa ter uma marca pessoal. Aqui no Studio, acredito que uma marca pessoal está simplesmente misturando quem você é no trabalho que realiza.

Isso significa que seus valores pessoais aparecerão em sua missão comercial. Que você consegue conectar os pontos entre seus conhecimentos e seus hobbies. Que a sua personalidade é um trunfo para o resultado final – o que a torna “estranha” pode ser o diferencia dos seus maiores atributos para atrair o cliente dos seus sonhos! E o mais importante, isso significa que seu trabalho é realizado de maneira criativa em nível pessoal, de forma autêntica e sem perder a sua essência.

PESSOAS COMPRAM DE PESSOAS

Quando se trata de ter uma marca pessoal, independentemente de você querer ou não ser o rosto do seu negócio, é que as pessoas compram delas.

Mas você pode estar pensando: “Sim, mas e a Apple? E a Starbucks? Essas não são pessoas!”. É inegável que os visionários Steve Jobs (Apple) e Howard Schultz não são apenas nomes conhecidos, mas personalidades que impulsionaram esses negócios ao sucesso estratosférico – e às tramas de filmes e autores de livros mais vendidos. Mas mesmo além daqueles que fundam a marca pessoal … sempre que entro em uma loja da Apple, estou lidando com uma pessoa. Quando vou ao meu bairro, a Starbucks, é melhor você acreditar que tenho um atendente favorito (aquele que sempre elogia minha roupa, mas o mais importante é receber meu pedido – e nome! – exatamente correto). Claro, essa pessoa não é o Steve Jobs, mas trabalha para uma empresa com uma cultura que endossa sua individualidade – sua própria marca pessoal! – dentro do contexto de sua organização.

Mesmo que você não queira ser o rosto da sua marca – como líder e visionária por trás do seu negócio, você consegue infundir seus ideais nos produtos que seleciona, na maneira como treina seus funcionários e no tom geral definido para o seu negócio.

TENTE: EXERCÍCIOS PARA IDENTIFICAR SUA MARCA PESSOAL.

Aqui estão alguns exercícios que podem ajudá-la a encontrar sua marca pessoal na empresa que você criou (ou deseja criar!):

Imagine alguém entrando em sua loja ou visitando sua loja online pela primeira vez. O que eles veem primeiro? Como eles são recebidos? Que detalhes os surpreendem ou encantam? Como eles falam sobre descrever sua loja para seus amigos e familiares? Como você quer que eles se sintam? O que você quer que eles se lembrem?

As respostas para essas perguntas podem dizer muito sobre a experiência que você está tentando criar. Se as respostas não refletirem seu próprio estilo ou valores, isso pode significar uma desconexão entre quem você é e o negócio que está tentando crescer.

Esses são os tipos de perguntas que pedimos aos nossos clientes para a criação de uma uma marca forte e com significado! Independentemente de sua marca ser ou não orientada pela personalidade, descobrimos que explorar o que pessoalmente as ilumina é exatamente o que faz com que a marca e a cultura comercial atraiam apenas os clientes certos!

Leave A Comment

Archives